50% dos recém-nascidos não são amamentados na primeira hora de vida, diz Unicef

Por: Bruna Romanini

Foto: Getty Images

Atrasar o aleitamento em 2 horas aumenta o risco de morte súbita em 40% e atrasá-lo em 24 horas faz esse risco subir para 80%

Cerca de 77 milhões de recém-nascidos, ou seja, metade dos bebês, não são amamentados em sua primeira hora de vida, sendo privados de nutrientes e anticorpos e do contato corporal com suas mães que são essenciais para protegê-los de doenças e da morte, de acordo com a Unicef – Fundo das Nações Unidas para a Infância.

Não oferecer o peito para o bebê na primeira hora de vida pode favorecer uma série de problemas. “Fazer o bebê esperar muito tempo pelo primeiro contato crucial com sua mãe fora do útero diminui a chance de sobrevivência do recém-nascido, limita a produção de leite e reduz a probabilidade da amamentação exclusiva. Se todos os bebês fossem alimentados com nada além de leite materno desde o momento do seu nascimento até os 6 meses de idade, mais de 800 mil vidas seriam salvas a cada ano”, disse France Bégin, assessora sênior de Nutrição do UNICEF.

Cadastre-se

Dados do UNICEF mostram que os progressos para se ter um número maior de recém-nascidos amamentados em sua primeira hora de vida têm sido lentos nos últimos 15 anos. Quanto mais se atrasa o início da amamentação, maior é o risco de morte no primeiro mês de vida. Atrasar o aleitamento materno entre 2 e 23 horas após o nascimento aumenta em 40% o risco de morte nos primeiros 28 dias de vida. Atrasá-lo por 24 horas ou mais aumenta esse risco em 80%. “O leite materno é a primeira vacina do bebê, a primeira e melhor proteção que recebe contra as doenças. Com os recém-nascidos respondendo por quase metade de todas as mortes de crianças com menos de 5 anos, o aleitamento materno precoce pode fazer a diferença entre a vida e a morte “, disse France Bégin.

A análise do UNICEF mostra que as mulheres não estão recebendo a ajuda de que necessitam para iniciar o aleitamento materno imediatamente após o nascimento, mesmo quando um médico, enfermeiro ou parteira assiste o parto. No Oriente Médio e Norte da África e na Ásia Meridional, por exemplo, as mulheres que dão à luz com auxílio de uma parteira qualificada estão menos propensas a iniciar o aleitamento materno na primeira hora após o parto se comparadas àquelas que dão à luz com o apoio de parteiras não qualificadas ou familiares.

Alimentar os bebês com outros líquidos ou alimentos é outra razão para atrasar o aleitamento materno precoce. Em muitos países, é costume alimentar o bebê com fórmula infantil, leite de vaca ou água com açúcar nos três primeiros dias de vida. Quase metade de todos os recém-nascidos são alimentados com esses líquidos. Quando os bebês recebem alternativas menos nutritivas do que o leite materno, eles mamam com menos frequência, fazendo com sejam mais difíceis para as mães o início e a continuidade do aleitamento.

Globalmente, somente 43% dos bebês com menos de 6 meses de idade são amamentados exclusivamente. Bebês que não são amamentados têm 14 vezes mais probabilidade de morrer do que aqueles que são alimentados apenas com leite materno
No entanto, qualquer quantidade de leite materno reduz o risco de morte para a criança. Bebês que não recebem nenhum leite materno têm sete vezes mais chance de morrer de infecções do que aqueles que receberam pelo menos alguma quantidade de leite materno nos seus seis primeiros meses de vida.

Não permitir o contato da mãe com o bebê na primeira hora de vida, quando ambos estão saudáveis, é considerado uma forma de violência obstétrica. Veja outros procedimentos desnecessários feitos no recém-nascido aqui.

Veja mais

amamentar-emocoes

Deixe uma resposta

Comentários