A importância dos avós na criação dos netos

Por: Bruna Romanini

Foto: Getty Images

Veja também quais os limites da participação dos avós na criação dos netos

Os avós têm papel de destaque na criação dos netos. “Eles sempre foram importantes na vida das pessoas. Hoje em dia sobretudo em função das necessidades das novas famílias, em que ambos os pais trabalham fora e precisam da ajuda do que chamamos de família ampliada”, explica a psicóloga Susana Orio, orientadora educacional do colégio Madre Alix.

Além dos aspectos práticos, como levar na escola e cuidar nos momentos em que os pais precisam, há a questão emocional. “Os avós são pessoas de apego das crianças, em que elas confiam e isso por si só já é um aspecto positivo. São pessoas indicadas para acolher o pequeno na sua singularidade”, diz Susana Orio.

Cadastre-se

Eles também são essências para ajudar a criança a entender a própria história. “Afinal, a presença dos avós é importante para a formulação da origem das crianças, a história da sua família”, observa Susana Orio.

A participação dos avós na criação dos netos também é muito benéfica para os pais. “A presença dos avós para os pais é relevante se considerarmos que na criação dos filhos os pais sempre necessitam de apoio e os avós são uma mão na roda, constituem alguém em quem confiamos e com experiência na lida com os pequenos”, constata Susana Orio.

Os limites da participação dos avós

Apesar da participação dos avós ser muito boa para os pequenos, alguns limites são necessários. “Ela se torna excessiva quando os avós começam a competir com os filhos. Isso ocorre em casos em que os pais deixam os filhos com os avós demasiadamente. Os avós têm que entender o papel de cada um, e que não devem interferir na criação dos netos, sobretudo quando os seus posicionamentos são divergentes e podem gerar conflitos. Cada um no seu papel”, destaca Susana Orio.

Dicas para manter a relação com os avós positiva

A principal dica para que a relação entre pais, avós e netos seja o mais positiva possível é manter o diálogo e o respeito na convivência. “As gerações mudam, os avós têm de entender isso e os pais também devem respeitar o posicionamento dos mais velhos. Os avós não devem contradizer os pais na frente dos filhos e os pais não devem deixar os pequenos de forma demasiada com os avós. Uma relação tranquila com os avós só vai ajudar no desenvolvimento dos pequenos”, conclui Susana Orio.

Veja mais

temperamento-dificil-bebe

Deixe uma resposta

Comentários