Saiba por que cada vez mais mães estão trocando os berços por caixas

Por: Bruna Romanini

Foto: Reprodução DailyMail

A ideia das caixas começou na Finlândia e reduziu drasticamente o número de mortes de bebês no país

Começou na Finlândia a ideia de colocar os bebês para dormirem em caixas de papelão. Esta atitude fez a Finlândia se tornar um dos países com as menores taxas de mortalidade de bebês do mundo. O governo finlandês começou a colocar os bebês em caixas em 1930 e isso contribuiu fortemente para que as taxas de mortalidade dos bebês passassem de 65 bebês a cada mil em 1938, para 2 a cada mil em 2015.

As caixas são feitas para bebês até oito meses e as pesquisas indicam que é graças ao seu tamanho pequeno que elas são capazes de prevenir a morte súbita. Afinal, por serem pequenas os bebês não conseguem se virar e ficar de bruços, posição que favorece os casos de morte súbita.

Cadastre-se

Agora, o Reino Unido também decidiu adotar a ideia das caixas, pois é um dos países com maiores taxas de mortalidade de bebês da Europa. Ambos os governos entregam para cada nova mamãe uma caixa de papelão com um colchão de espuma e uma capa de colchão impermeável. Dentro da caixa existem itens de primeira necessidade para os bebês, como roupinhas, entre outros. E também orientações sobre amamentação e cuidados importantes sobre a prevenção da morte súbita. “Essas caixas e as informações que elas trazem dentro de si conseguiram reduzir a mortalidade infantil na Finlândia e esperamos que esses resultados se repitam no Reino Unidos”, explica a ginecologista obstetra Karen Joash, membro do Imperial College Healthcare Trust e responsável por trazer as caixas para o Reino Unido, em entrevista ao jornal britânico Daily Mail.

Confira o que costuma vir dentro de cada caixa:

caixa-conteudo

Saiba mais sobre como prevenir a morte súbita infantil aqui. 

Veja mais

Deixe uma resposta

Comentários