Má formação do bebê na gravidez: causas inesperadas

Por: Bruna Romanini

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Foto: Reprodução

Veja quais são as coisas inesperadas que favorecem a má formação do bebê na gravidez

Querer que o bebê nasça com saúde é o maior desejo de todo pai e mãe que estão “grávidos”. E uma das maiores preocupações são as má formações em bebês. Apesar da maioria dos casos de má formações em bebês ainda não terem uma causa exata, a ciência já sabe de algumas coisas do dia a dia que podem favorecer essas má formações. A seguir, listamos coisas do dia a dia que favorecem má formação do bebê e quase ninguém fala a respeito. Confira:

Bijuterias

Cadastre-se

Sabe aquela bijuteria que você comprou no camelô? Então, melhor não usá-la durante a gestação. Isto porque uma pesquisa realizada pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) apontou que muitas dessas bijuterias possuem uma quantidade altíssima de chumbo.

O chumbo tem sido associado a diversos problemas de saúde e durante a gestação pesquisas têm apontado que ele favorece problemas como: baixo peso do bebê ao nascer, má formação do bebê e problemas no cérebro do bebê.

Em fevereiro de 2016, o Inmetro estabeleceu um limite para a quantidade de chumbo em bijuterias e joias comercializadas no Brasil. Porém, os fabricantes ainda terão 36 meses para adequação às novas regras. Ou seja, somente em fevereiro de 2019 as bijuterias comercializadas no Brasil terão uma concentração de chumbo considerada segura.

Não tomar todas as vacinas

Tomar todas as vacinas necessárias durante a gestação é essencial para garantir a saúde da mãe e do bebê. E além disso, ainda pode prevenir a má formação do bebê. Isto porque algumas das vacinas orientadas previnem contra doenças que podem levar à má formação do bebê. Por isso, veja as vacinas indicadas na gravidez aqui.

Comer comidas cruas

Na verdade, a maioria das gestantes já sabe que é preciso evitar comidas cruas ou mal passadas durante a gestação. Porém, você sabia que um dos motivos para evita-las é o risco de má formação no bebê? Isto porque comidas cruas podem levar à toxoplasmose e esta doença pode afetar o bebê causando má formações como perda da audição, problemas de visão e intelectuais.

Para prevenir a toxoplasmose outros cuidados importantes são: lavar bem os vegetais antes de comê-los, usar luvas quando for mexer na terra ou lavar os vegetais, e se tiver um gato que frequenta a parte de fora de sua casa, peça para outras pessoas limparem a caixinha de areia dele. Se você tiver que limpar a caixinha de areia do seu gato, faça isso com luvas e certifique-se de lavar as mãos depois.

Não lavar as mãos

Algumas infecções podem favorecer a má formação no bebê. Por isso, é importante prevenir infecções. Uma boa maneira de evitar infecções é lavar as mãos constantemente e outro cuidado importante é evitar o contato com alguém que tenha uma infecção.

Obesidade

Mulheres com obesidade durante a gestação (IMC de 30 ou mais) têm maiores chances de terem bebês com má formação. Os problemas mais frequentes no bebê que têm sido relacionados a obesidade da mãe na gestação são: problemas no tubo neural, problemas no coração e lábio leporino.

Não tomar as vitaminas necessárias

Tomar todas as vitaminas necessárias durante a gestação, especialmente o ácido fólico e o ferro, é essencial para prevenir a má formação no bebê, especialmente no tubo neural e no cérebro. Por isso, converse com seu médico e certifique-se que você está tomando todas as vitaminas.

Não ter cuidado ao tomar remédios

Saiba que alguns medicamentos podem favorecer a má formação do bebê. Por isso, antes de tomar qualquer remédio durante a gestação é indispensável conversar com o seu médico e ler a bula com atenção para saber se o medicamento não apresenta nenhum risco ao bebê.

Abacaxi não orgânico

Diversas pesquisas sobre gastrosquise têm relacionado o problema à um pesticida muito usado em todo o mundo, inclusive no Brasil: a atrazina. Um dos estudos mais recentes sobre o assunto, publicado na revista científica Maternal and Child Health Journal e feito com mais de 9.551 bebês e suas mães descobriu que em mulheres com mais de 25 anos o risco do bebê ter gastrosquise aumenta se a mãe ingere ou é exposta a grandes quantidades de atrazina na gestação. Ocorre que a atrazina é um pesticida muito utilizado no cultivo do abacaxi Gastrosquise é uma condição em que há uma má formação na parede abdominal, de modo que há uma abertura na barriga e o intestino e/ou estômago acabam saindo. Por isso, se for comer abacaxi, é interessante optar pela versão orgânica. Veja aqui o caso de uma mãe que acredita que o abacaxi causou gastrosquise em seu bebê.

Peixes ricos em mercúrio

Evitar peixes ricos em mercúrio durante a gestação, amamentação e na dieta do bebê é essencial para prevenir problemas no cérebro dos pequenos. Por isso, durante a gestação evite peixes ricos em mercúrio como peixe-espada, a cavala, o tubarão e o lofolátilo.

Saiba que peixes com baixa concentração de mercúrio são saudáveis e indicados para as gestantes, é o caso da merluza, atum enlatado, salmão e peixe-gato. Coma entre 220 e 340 gramas de peixes com baixa concentração de mercúrio por semana.

Passar muito calor

Por incrível que pareça certas temperaturas podem favorecer a má formação fetal. Quando a temperatura corporal da mãe fica acima de 38.8 graus, especialmente entre cinco e seis semanas de gestação, as chances da espinha não se fechar aumentam, fazendo com que o bebê nasça com espinha bífida. Por isso, nada de entrar em banheiras muito quentes e fique especialmente atenta se estiver com febre, acompanhando sua temperatura de perto.

BPA

O Bisfenol A (BPA) é um composto utilizado na fabricação de policarbonato, um tipo de resina usada na produção da maioria dos plásticos. O BPA também está presente na resina epóxi, utilizada na fabricação de revestimento interno de latas que acondicionam alimentos para evitar a ferrugem e prevenir a contaminação externa.

Diversas pesquisas têm associado o BPA a problemas de saúde. Uma delas, feita pelo Hospital Universidade de Nice, na França, descobriu que o BPA pode favorecer uma das má formações mais comuns em bebês meninos: a demora do testículo do bebê para descer. Por este motivo e muitas outras questões de saúde, é importante evitar a exposição ao BPA durante a gestação e também não expor o bebê à substância após o nascimento.

Saiba como evitar a exposição ao BPA

1 – Use mamadeiras e utensílios BPA free para os bebês.

2 – Jamais esquente no microondas bebidas e alimentos acondicionados no plástico. O bisfenol A é liberado em maiores quantidades quando o plástico é aquecido.

3 – Evite levar ao freezer alimentos e bebidas acondicionadas no plástico. A liberação do composto também é mais intenso quando há um resfriamento do plástico.

4 – Evite o consumo de alimentos e bebidas enlatadas, pois o bisfenol é utilizado como resina epóxi no revestimento interno das latas.

5 – Evite pratos, copos e outros utensílios de plástico. Opte pelo vidro, porcelana e aço inoxidável na hora de armazenar bebidas e alimentos.

6 – Descarte utensílios de plástico lascados ou arranhados. Evite lavá-los com detergentes fortes ou colocá-los na máquina de lavar louças.

7 – Caso utilize embalagens plásticas para acondicionar alimentos ou bebidas, evite aquelas que tenham os símbolos de reciclagem com os números 3 e 7 no seu interior e na parte posterior da embalagem. Eles indicam que a embalagem contém ou pode conter o BPA na sua composição.

Saiba mais sobre malformações do bebê na gravidez aqui.

Fontes consultadas:

Centro de Controle e Prevenção de Doenças do Governo dos Estados Unidos

Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro)

Congresso Americano de Obstetrícia e Ginecologia nos Estados Unidos

MotherToBaby – Organização Não Governamental que é a principal referência nos Estados Unidos de informações sobre o que pode ou não afetar a gestante e a mãe que amamenta

Veja mais

Deixe uma resposta

Comentários