Furar a orelha da bebê: esclareça suas dúvidas

Por: Bruna Romanini

Foto: Getty Images

Saiba quais os cuidados necessários ao furar a orelha da bebê

Furar as orelhas da bebê gera muitas dúvidas entre as mamães. Afinal, com qual idade fazer? Quem pode fazer? Quais cuidados ter com as orelhas furadas? Por isso, conversamos com a pediatra e neonatologista Celia Maria Boff de Magalhães, membro da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul, e esclarecemos suas principais dúvidas sobre o assunto.

Quando fazer?

Cadastre-se

Não há uma idade certa para furar as orelhas da bebê. “Contudo, é aconselhável aguardar os dois primeiros meses de vida, fase em que o pequeno é mais vulnerável a infecção”, diz Celia Magalhães. Também é interessante esperar até a primeira consulta com o pediatra, a fim de saber se o furo pode ser feito sem problemas.

Dói muito para o bebê?

O furo será feito no lóbulo da orelha da bebê que é cartilaginoso, por isso, não será muito dolorido.

Como é feito o furo da orelha?

Os brincos devem ser esterilizados com álcool 70%. “Os brincos de ouro maciço, em geral, têm menor risco de infecção ou reação alérgica”, explica Celia Magalhães. Evite brincos grandes, de argolas, pontiagudos ou com algo que possa ficar preso nas roupas da bebê. O lóbulo da orelha também deve ser higienizado com o álcool e costuma ser furado com o próprio brinco já higienizado.

Os profissionais que podem fazer os furos são médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem e farmacêuticos. “É importante que o profissional e o local em que o furo será feito sejam confiáveis. Confira se o local está autorizado pela ANVISA”, orienta Celia Magalhães.

Cuidados após furar as orelhas

Após furar as orelhas das bebês, é interessante lavar o local diariamente com água e sabão. Outro cuidado interessante é rodar o brinco delicadamente a fim de evitar que ele grude no lóbulo da orelha. “Após o furo, observe se há sinais de inflamação, como vermelhidão, inchaço, dor e secreção no local. Caso haja algum desses problemas, avalie com o pediatra”, afirma Celia Magalhães.

Veja mais

Deixe uma resposta

Comentários