Depressão na gravidez: sintomas, tratamento e as causas

Por: Bruna Romanini

Foto: Reprodução

A seguir, esclareça todas as suas dúvidas sobre a depressão na gravidez

Infelizmente, existe uma doença que afeta cerca de duas em cada dez gestantes e que quase ninguém fala a respeito: a depressão na gravidez. A atriz Carolina Ferraz foi uma das poucas a colocar o assunto em pauta ao falar que sofreu com depressão na gravidez nos primeiros três meses de gestação. “Tive uma depressão horrorosa nos três primeiros meses. Eu falava para o médico que eu estava em um momento tão feliz, mas estava arrasada. Não fiquei uma deprimida triste, fiquei uma deprimida agressiva. Lá em casa, a galera me aguentou. Eu chorava de raiva! Não me reconheci “, contou a atriz Carolina Ferraz em entrevista ao programa Encontro com Fátima Bernardes da Rede Globo.

O que é a depressão na gravidez?

Cadastre-se

A depressão durante a gravidez é um transtorno de humor assim como qualquer outra depressão. Ao contrário do que se acredita, o transtorno de humor é uma doença que envolve mudanças químicas no cérebro, ou seja, é algo físico e MUITO real.

A depressão na gravidez pode ocorrer porque nesta fase as mudanças hormonais podem afetar as questões químicas no seu cérebro que por sua vez estão diretamente ligadas a depressão e ansiedade.

Quais os sintomas da depressão na gravidez?

Os principais sinais da depressão na gravidez envolvem passar por alguns dos sintomas que vamos mencionar a seguir por duas semanas ou mais:

  • Tristeza constante;
  • Dificuldade de se concentrar;
  • Dormir muito pouco ou dormir demais;
  • Perda de interesse em atividades que você geralmente gostava de fazer;
  • Recorrência de pensamentos relacionados a morte, suicídio ou falta de esperança;
  • Ansiedade;
  • Sentimento de culpa ou se sentir inútil;
  • Mudanças bruscas nos seus hábitos alimentares.

O que pode causar a depressão na gravidez

Além das questões hormonais, algumas outras situações podem favorecer a depressão na gravidez. São elas:

  • Problemas no seu relacionamento;
  • História pessoal ou familiar de depressão;
  • Dificuldades para engravidar;
  • Ter sofrido um aborto espontâneo no passado;
  • Histórico de abuso;
  • Complicações na gravidez;
  • Passar por situações muito estressantes;

É importante deixar claro que a depressão na gravidez não está necessariamente relacionada a uma gravidez não planejada ou não desejada. “Alguém que planeja muito conta com o que tem conscientemente e não inconscientemente.  Toda a gestação tem um pouco de ambivalência, divide o ser humano, mulheres que querem muito uma gravidez podem se deprimir”, afirma a psicóloga Vera Iaconelli, diretora do Instituto Brasileiro de Psicologia Perinatal – Gerar e doutora em psicologia pela Universidade de São Paulo.

A depressão na gravidez pode machucar o bebê?

A depressão na gravidez não tratada pode machucar o bebê. Isto porque a pessoa que está com depressão e não está recebendo tratamento adequado geralmente não tem a força e nem o desejo de cuidar de si mesma. E ao não cuidar de si mesma, a gestante com depressão pode acabar não se alimentando corretamente e também pode ter comportamentos arriscados para o bebê como fumar, consumir bebidas alcoólicas e comportamentos suicidas. Todas essas atitudes favorecem uma série de problemas no bebê, como parto prematuro, má formação e baixo peso ao nascer.  Por tudo isso, buscar ajuda caso suspeite que tem depressão é indispensável.

Tratamento para a depressão na gravidez

Caso você suspeite que está sofrendo com a depressão na gravidez é essencial falar com o seu ginecologista sobre o assunto ou buscar diretamente a ajuda de um psiquiatra. O psiquiatra poderá determinar qual é o tratamento mais adequado. Este tratamento geralmente envolve terapia, remédios também podem ser orientados.

Algumas boas atitudes do dia a dia que ajudam no tratamento e prevenção a depressão são:

  • Exercícios: com a autorização do seu médico, praticar exercícios na gestação é uma ótima maneira de prevenir a depressão, isto porque as atividades físicas ajudam a aumentar os níveis de serotonina, um dos hormônios responsáveis pelo humor;
  • Descansar: falta de sono afeta a maneira como o nosso corpo lida com o estresse e desafios do dia a dia, por isso procure ter um descanso adequado;
  • Alimentação saudável: invista em uma alimentação saudável rica em frutas, verduras e legumes e evite alimentos industrializados e fast foods.

Fonte consultada:

Associação Americana de Gravidez

Congresso Americano de Obstetrícia e Ginecologia

Veja mais

Deixe uma resposta

Comentários