Bebê perde a vida por 1 erro ao comer uva e pediatras alertam

Por: Bruna Romanini

Foto: Reprodução

A uva é o terceiro alimento que mais faz bebê e crianças pequenas engasgarem, entenda

O pequeno Jacob Jenkins, dois anos, perdeu a vida na Inglaterra após engasgar ao comer uma uva. O pequeno estava no restaurante com os pais e comia uvas sem problemas, até que engasgou com uma.

Os paramédicos foram chamados e enquanto isso o pai de Jacob, David, tentou retirar a uva que estava causando o engasgo. Quando os paramédicos chegaram, o bebê já estava inconsciente e foi levado para o hospital Royal Victoria Infirmary em Newcastle.

Links Patrocinados

bebe-engasgou-uva2

Lá, os médicos conseguiram reanimar o pequeno e ele ficou em coma induzido por cerca de seis dias. Infelizmente, o pequeno Jacob não resistiu e acabou falecendo. O falecimento de Jacob causou grande comoção na Inglaterra e 500 pessoas chegaram a se reunir para rezar e homenagear o pequeno.

Links Patrocinados

pessoas-homenagem-bebe-uva

O risco das uvas e outros alimentos pequenos

Infelizmente, este triste caso não é algo isolado. Uma pesquisa publicada na revista científica Archives of Disease in Childhood alertou para os riscos de dar uvas inteiras para os bebês e crianças menores de 5 anos. Os pediatras autores do estudo afirmam que as uvas são o terceiro alimento que mais faz os bebês e crianças pequenas engasgarem, atrás apenas da salsicha e de docinhos.

As crianças pequenas e bebês correm maior risco de engasgar com as uvas porque possuem vias aéreas pequenas, ao ponto de uma uva inteira poder obstrui-las completamente e fazer com que eles engasguem.

Diante deste risco das uvas, os pediatras alertam que os pais nunca deem uvas inteiras para os bebês ou crianças menores de cinco anos. Ao oferecer a uva para os pequenos a orientação é cortá-la em quatro pedaços e só deixar o bebê comer as uvas quando um adulto estiver supervisionando. A mesma orientação vale para outras frutas e legumes pequenos, como o tomatinho cereja e a amora.

Os pediatras autores do estudo também defendem que a embalagem destes alimentos venha com um alerta sobre o possível risco deles fazerem os bebês e crianças engasgarem.

Veja mais

Comentários

Links Patrocinados