Ciúmes da mãe com bebê e mais:pais revelam como é ter depressão pós-parto

Por: Bruna Romanini

Foto: Reprodução DailyMail

Confira a seguir o emocionante depoimento dos pais Mike Simms e David Tyson, que sofreram com depressão pós-parto

Se infelizmente ainda pouco se fala da depressão pós-parto na mãe, quando se trata do pai, muitas pessoas sequer sabem que os papais também podem ter depressão pós-parto. Mas o fato é que os papais podem ter depressão pós-parto sim!

Para falar mais sobre este assunto e tentar ajudar outras famílias, os papais Mike Simms e David Tyson concederam depoimentos sinceros e emocionantes ao jornal britânico DailyMail sobre o momento em que sofreram com depressão pós-parto. Confira a seguir:

Links Patrocinados

“Sentia ciúmes da relação da minha esposa com o bebê”

Quando descobriu que sua esposa estava grávida, Mike Simm, 34 anos, sentiu uma felicidade imensa. “Eu fiquei muito feliz e estava ansioso para o nascimento da minha primeira filha. Toda a gestação foi muito legal: comprar roupinhas, sentir o bebê mexer, escolher nomes, etc. Mas depois que minha filha nasceu eu não sabia como agir porque tudo tinha acontecido com a minha esposa”, disse Mike.

Links Patrocinados

As coisas começaram a mudar para Mike na hora do parto. “Nossa menininha nasceu por meio de parto natural. E ver minha esposa com dor e não poder fazer muita coisa para ajuda-la me deixou mal. Como homem e marido, eu queria ajudar minha esposa, fazer a dor dela sumir e eu não consegui fazer nada. E quando me entregaram minha filha, era apenas uma coisinha rosa. E eu pensei: ‘Gente, o que eu faço agora?! Eu achei que iria me apaixonar pela minha bebê na hora e saber exatamente o que fazer, mas nada disso aconteceu. E eu me senti um fracasso”, confessou Mike.

Por outro lado, a esposa de Mike lidou muito bem com a maternidade. “Ela amamentou nossa bebê e foi incrível. Mas com o nascimento da nossa filha, mudou a dinâmica familiar. Minha esposa e nossa filha se tornaram praticamente uma só e eu fiquei lá, completamente perdido. Sempre que eu tentava segurar minha bebê no colo ela chorava. Eu me convenci de que estava fazendo tudo errado. Minha bebê parecia não gostar de mim e nunca se acalmava quando eu a segurava. Isso me deixava estressado e eu sei que isso estressava minha bebê. Eu costumava acordar a noite para ajudar minha esposa nas mamadas da madrugada, mas mesmo assim eu não sentia que estava ajudando. Eu comecei a sentir muita dor e me sentia um estranho na minha família. A depressão e o fracasso me dominaram”, disse Mike.

“Depois, eu comecei a brigar com minha esposa por coisas bobas. Passei a sentir ciúmes da minha esposa com nossa bebê. Coisas sobre as quais nunca reclamava antes, eu comecei a reclamar. Eu comecei a ter todos esses sentimentos que nenhum livro fala a respeito”, disse Mike.

Então, cinco meses após o nascimento de sua filha, Mike teve coragem para admitir seus sentimentos para sua esposa. E o casal buscou ajuda psicológica. Mike foi diagnosticado com depressão pós-parto e passou a se medicar e fazer terapia. “O médico me levou a sério e tanto os remédios quanto a terapia me ajudaram muito”, disse Mike.

Após seis meses de tratamento, Mike começou a se sentir melhor. E conseguiu ter uma boa relação com sua bebê, e claro, com sua esposa. “Tivemos outro filho há 14 meses e dessa vez estava me sentindo preparado. Ainda foi difícil ver o parto da minha esposa, mas já consegui ter um forte vinculo com meu bebê desde o início e eu já sabia quais eram os sintomas da depressão pós-parto, então se sentisse algo iria buscar ajuda imediatamente. Acho que a depressão pós-parto entre os papais deveria ser algo que todos os pais fossem informados ainda na gestação, para que não sofram tanto quanto eu sofri”, concluiu Mike.

mike-depressao-pos-parto2

“Eu pensei até em trair minha esposa”

Ao contrário de Mike, David Tyson, 43 anos, era um pai experiente quando desenvolveu depressão pós-parto. A depressão de David surgiu após o nascimento de seu terceiro filho.

“O nascimento do meu terceiro filho foi caótico, com pessoas correndo para todos os lados e eu não sabia o que fazer. Vi minha esposa com muita dor, sangrando e vomitando e eu não podia fazer nada! Isso acabou comigo”, disse David.

O nascimento traumático do filho fez com que David desenvolvesse depressão pós-parto. “Todo mundo pergunta como a mãe está, mas ninguém pergunta ao pai como ele está. E não é uma questão de ser egoísta. Eu tive todas essas emoções, preocupações e estresse e não sabia como lidar com isso”, afirmou David.

David não fazia a menor ideia de como lidar com esses sentimentos e de como criar um vínculo com seu bebê. “Foi diferente dos nossos outros filhos, eu estava me sentindo um fracasso. Comecei a brigar e me sentir bravo o tempo todo”, recorda-se David.

David confessa que até pensou em trair a esposa. “Eu comecei a olhar para outras mulheres e pensar em trair minha mulher. Eu estava me sentindo muito isolado e achava que não fazia nada certo. A depressão pós-parto estava me deixando muito confuso. Eu não cheguei a trair minha esposa. O tratamento da depressão pós-parto permitiu que eu conseguisse salvar meu casamento. Foi apenas após ter tido uma discussão grave com minha esposa e que ela me disse que eu precisava buscar ajuda que eu comecei a pensar que existia tratamento para o que eu tinha”, disse David.

Mesmo se sentindo relutante, David foi buscar ajuda médica. “Confesso que no início me sentia um idiota por buscar ajuda médica. Mas então, eu comecei a conversar com o médico e expliquei que não tinha tido nenhum problema no nascimento dos meus dois primeiros filhos, mas que com o terceiro tudo mudou e a conversa foi ótima. O médico me entendeu e foi então que eu descobri que estava sofrendo com depressão pós-parto. Eu comecei a tomar antidepressivos e passei a fazer terapia”.

“Com a ajuda da minha esposa, terapia e medicamentos eu consegui superar a depressão pós-parto. Minha maior culpa foi não poder ter ajudado minha esposa, que estava com nosso bebê novinho, por causa da depressão pós-parto”, afirma David.

Agora, David conseguiu superar a depressão pós-parto. O casal até teve outro filho e desta vez David não teve problemas. “Agora eu também sei os sintomas da depressão pós-parto e saberia como agir caso apresentasse algum sintoma. Decidi contar minha história para alertar outros pais. Se eu não tivesse buscado ajuda e me tratado meu casamento teria desmoronado e eu teria perdido tudo que é valioso para mim. Esta é uma condição séria e que pode matar. Nenhum pai está imune à depressão pós-parto, mesmo aqueles que já têm vários filhos. Pais, por favor não escondam seus sentimentos, busquem ajuda. Eu aprendi que não há problemas em compartilhar seus sentimentos e eu quero ajudar outros pais e famílias a fazer o mesmo”, concluiu David.

david-depressao-parto3 david-depressao-parto2

Veja mais

Comentários

Links Patrocinados