Professora de creche choca ao falar porque colocou crianças dentro de saco

Por: Bruna Romanini



Foto: Reprodução G1

Veja a seguir o que a professora Silma Lopes de Oliveira disse em depoimento à polícia

A professora Silma Lopes de Oliveira deu depoimento à Polícia Civil e disse que os vídeos em que ela aparece colocando os alunos da creche em um saco de lixo foram editados e que ela fez isso apenas uma vez como forma de brincadeira, após leitura de livro infantil sobre o assunto.

Ela também negou que a atitude tenha sido uma forma de castigo ou “método pedagógico”. Agora, o delegado Eduardo Lopes Bonfim, que chefia a investigação em Restinga (SP), disse que vai analisar o conteúdo da obra literária citada pela professora.

Cadastre-se

“Ela alegou que tudo não passou de uma brincadeira. Não sei o conteúdo do livro, e como ela não quis comentar as imagens, a gente não pode fazer uma conexão. A gente vai procurar saber o que o livro diz, mas não acredito que mande colocar ninguém dentro do saco”, afirmou o delegado em entrevista ao portal G1.

Ainda segundo o delegado, a professora também negou ter orientado as estagiárias a fazerem o mesmo com os alunos e afirmou que nunca ameaçou demiti-las, caso contassem sobre os episódios a alguém, afirmando que mantinham amizade fora da sala de aula.

“Ela negou qualquer forma de orientação, alegando que toda orientação passada às estagiárias era feita pela coordenação da creche. Vamos chamar de novo a coordenação da creche para resolver esse detalhe. Ela negou todos esses fatos, dizendo que não fez nada demais”, disse o delegado em entrevista ao portal G1.

A professora substituta da creche, Priscila Melo, que presenciou as punições aplicadas por Silma, também prestou depoimento nesta quarta-feira (13). De acordo com o delegado, Priscila disse que estava na sala apenas para desenvolver um trabalho musical com os alunos.

“Ela alegou que, como não houve choro, não houve nenhum pedido de socorro, entendeu que era um fato que ocorria ali, segundo ela, uma brincadeira de mau gosto, mas apenas uma brincadeira. Ela entendeu que não era nada demais”, afirmou o delegado em entrevista ao portal G1.

Bonfim explicou que as professoras foram as últimas a prestar depoimento e que, agora, vai confrontar o conteúdo dos relatos de todos os envolvidos. O delegado adiantou que Priscila não deve ser responsabilizada pelo crime.

“A participação dela é mínima, ela estava somente naquele dia na sala. Vamos ver se é necessária essa acareação e se há alguma diferença entre os depoimentos e aqueles prestados na sindicância feita pela Prefeitura de Restinga”, afirmou. “Caso a gente entenda que isso vinha acontecendo com frequência, elas poderão até responder por tortura”, completou.

Entenda o triste caso das crianças colocadas dentro do saco de lixo

Imagens feitas pela câmera de segurança da sala de aula de uma creche municipal de Restinga, interior de SP, mostraram crianças de 3 e 4 anos sendo colocadas dentro de um saco de lixo pela professora e pela estagiária.

O caso terrível ocorreu na Escola Municipal de Ensino Básico (Emeb) Célia Teixeira Ferracioli e os vídeos foram anexados ao inquérito da Polícia Civil, instaurado em outubro, para apurar as denúncias de maus-tratos feitas pelas mães das crianças.

Em um vídeo gravado no dia 14 de setembro, a estagiária e a professora aparecem colocando um menino dentro de um saco de lixo preto. Uma coloca o garoto em pé, em cima do saco, e o segura pelos braços, enquanto a outra tenta puxar e fechá-lo.

Em outro momento, uma criança deitada em um colchão parece se debater no interior do saco. Em outra cena é possível ver a estagiária com uma raquete e o saco nas mãos, como se quisesse intimidar os alunos. O triste caso veio à tona após mães de alunos realizarem denúncias à polícia civil. Saiba mais sobre esta triste história aqui.

Foto: a professora Silma Lopes de Oliveira

Veja mais

Reprodução

Comentários





Veja mais