Direitos da gestante e da mãe

Por: Bruna Romanini

Foto: Getty Images

Advogado esclarece suas dúvidas sobre a licença-maternidade e outros direitos das gestantes

Eu posso ser demitida durante a gestação? Quanto tempo dura a estabilidade após a licença-maternidade? O advogado Marcelo Costa Mascaro Nascimento, sócio majoritário do escritório Mascaro Nascimento Advocacia Trabalhista responde suas principais dúvidas sobre direitos da gestante e da mãe.

A mulher pode ser demitida apenas por estar grávida?


Cadastre-se

R: Não. A gestante só poderá ser dispensada se for por justa causa.


Caso a mulher descubra a gravidez enquanto está no período de experiência, ela poderá ser demitida?

R. Não. A justiça trabalhista vem decidindo no sentido de que mesmo que seja no contrato de experiência ou por prazo determinado a gestante tem estabilidade provisória.


Quanto tempo de estabilidade a mãe tem após o nascimento do bebê?

R: A mãe tem estabilidade de até 5 meses após o parto, conforme previsto na Constituição Federal. Contudo, esse prazo pode ser aumentado por meio de Convenção Coletiva.


A licença-maternidade dura quanto tempo? 

R: Em geral, pelas regras da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), dura 120 dias, mas esse prazo pode ser estendido conforme regras da empresa ou previsão em Convenção Coletiva.


A licença-maternidade começa necessariamente após o nascimento do bebê?

R.A licença pode começar antes do parto, até o 8° mês, com atestado médico. No caso de mãe adotante pode começar da data de deferimento da decisão que confere a guarda ou da data da lavratura da certidão de nascimento.
 

Como saber se a empresa oferece a licença-maternidade de seis meses?

R: A melhor saída é perguntar na área de recursos humanos de sua empresa que poderá informar com maior segurança essa possibilidade. Contudo, se a empresa adotar essa licença estendida, provavelmente, estará previsto no regulamento interno ou será feito algum comunicado quanto ao assunto.


Após a licença-maternidade, a mãe tem direito a um período para a amamentação. Como é este tempo?

R: Pela CLT a mãe tem direito a dois períodos de 30 minutos por dia até os seis meses do bebê para amamentar. Como isso é bem difícil de conciliar, a prática aceita que os dois períodos sejam acumulados e a mãe saia 1h mais cedo do trabalho ou entre mais tarde.


As gestantes têm direito de ir as consultas pré-natal durante o horário de trabalho?

R: A empregada tem direito de comparecer a, no mínimo, seis consultas, pelo tempo que for necessário, durante o período da gravidez, conforme está previsto no art. 392, §4°, II da CLT.


Como fica o salário da mulher durante a licença-maternidade?

R: Ela receberá o salário no valor integral, normalmente. Se ela recebia remuneração variável, comissões, por exemplo, será calculado de acordo com a média dos últimos 6 meses de trabalho.


O que acontece se a mulher sofrer um aborto?

R: Se a mulher sofrer um aborto não criminoso, comprovado por atestado médico, ela terá direito a um repouso remunerado por 15 dias (art. 395 da CLT).
 

Caso ocorram complicações durante a gravidez, o tempo em que ela tiver que ficar em casa é descontado da licença-maternidade?

R: Não. Desde que a gestante tenha atestado médico, poderá ser afastada por até 15 dias. Se ultrapassar esse prazo, a partir do 16° dia ela deverá receber benefício do INSS.


O que fazer caso a função que a gestante ocupa não seja compatível com a gravidez?

R: Ela tem direito a mudar de função durante a gravidez e retornar depois do parto, sem qualquer prejuízo, se a função que ela exercer for incompatível com suas condições de saúde.


Os homens têm direito à licença-paternidade?

R: Têm sim. Pela lei é de cinco dias, mas pode ser aumentado por norma interna da empresa ou Convenção Coletiva.


Há diferenças na licença-maternidade caso o bebê nasça prematuro ou a mulher seja mãe de gêmeos?

R: Não. Valem as mesmas regras para todas as situações. No caso de prematuros o parto será adiantado, então a mulher sairá em licença assim que o bebê nascer, sem qualquer diferença.


Em caso de adoção, a mãe tem direito à licença-maternidade?

R: Sim. Deverá ser nos mesmos moldes da licença-maternidade das mães que têm filhos naturais, já que a lei veda distinção entre filhos.


Caso a mulher engravide nos 30 dias do aviso prévio, ela terá direito à licença-maternidade como qualquer outra funcionária?

R: Ela não poderá ser dispensada se ficar grávida durante o aviso-prévio cumprido ou indenizado. É o que está previsto no art. 391-A, da CLT. Nesse caso, ela deve voltar a trabalhar e ter direito à licença-maternidade normalmente.

Entenda a licença-paternidade nesta outra reportagem do portal BebêMamãe.com. 

Confira boas dicas para as mães que trabalham no post do nosso parceiro Roteiro Baby, clique aqui para ler.

Veja mais

Deixe uma resposta

Comentários