Thais Fersoza revela técnica para tratar diástase e evitar cirurgia

Por: Bruna Romanini

Foto: Reprodução Instagram

Diástase abdominal ocorre com uma em cada quatro mães, veja o que Thais Fersoza está fazendo para tratá-la

A atriz Thais Fersoza se tornou mãe da pequena Melinda há cerca de três meses. E revelou que assim como muitas mulheres, a gestação deixou marcas em seu corpo. Thais desenvolveu diástase abdominal após a gestação.

A diástase abdominal no pós-parto é uma condição que afeta uma em cada quatro mulheres que engravidaram. Ela ocorre porque durante a gestação, os músculos do abdômen se esticam muito. Após se esticarem tanto, dois músculos que ficam de forma paralela e vertical no meio do abdômen podem acabar não conseguindo voltar totalmente e ficam mais separados um do outro. Esta condição é chamada de diástase abdominal.

Cadastre-se

A diástase ocorre no final da gestação, mas costuma ser notada apenas no pós-parto. Com o passar do tempo, os músculos costumam se aproximar novamente. Porém, uma separação ainda se mantém pelo resto da vida.

Além de ter uma aparência que não agrada muitas mães, a diástase também pode levar a complicações como   enfraquecimento dos músculos do abdômen o que leva a dor na parte de baixo das costas tornando difícil levantar objetos e fazer outras atividades do dia a dia. Saiba tudo sobre a diástase aqui.

A cirurgia abdominal pode ser necessária para corrigir a diástase. Porém, a prática de certos exercícios pode contribuir para a recuperação e assim evitar a cirurgia. É justamente isso que Thais Fersoza está fazendo, ela decidiu investir no Método hipopressivo para tratar sua diástase. Veja o que ela falou sobre o assunto a seguir:

“EU, ainda sou novata no método.. e tô aprendendo.. baby steps! Pra quem não conhece, vale a pena! Pra vocês entenderem um pouquinho: ‘O Método hipopressivo foi criado nos anos 80 pelo belga Marcel Caufriez. Observando os efeitos nocivos dos abdominais sobre o assoalho pélvico ele também percebeu quanto esse exercício também era ruim para o próprio músculo abdominal e para as costas.

Durante a gestação, o útero exerce um grande peso sobre o assoalho pélvico e também empurra o reto abdominal para frente, gerando uma separação chamada diastase .

Até então, a diástase não tinha tratamento a não ser cirúrgico. A perda do tônus de sustentação dessa musculatura, leva também a sérios problemas posturais. Hoje em dia, sabem que o exercício hipopressivo é capaz de reduzir a diástase abdominal.

A realização dos exercícios hipopressivos, como diz o nome, diminui a pressão intra abdominal, aspirando as vísceras para cima e tonificando a parede abdominal. Segundo investigações cientificas, o método é capaz de:

1 Reduzir o perímetro da cintura em at´8%

2 Melhorar a postura, reduzindo lordoses e cifoses

3 Aumento do tônus do assoalho pélvico e da faixa abdominal em 58%

4 Incremento da forca do Assoalho pélvico em 20%

5 Aumento do metabolismo em 15%

6 Previne a incontinência urinaria

7 Evita prolapsos

8 Previne hérnias vaginais

9 Melhora da vascularização e da sensibilidade sexual’.

Gente, dizem que até as ‘angels’ da Victoria Secret fazem! Achei top! Um dia posto um vídeo pra vocês verem…É muito doido! Impressionante mesmo!”

Veja mais

loquio-sangramento-pos-parto
prefencial-mae-amamenta-lactente1
mulher-tiaguinho-gravida-chape

Deixe uma resposta

Comentários