“Se tivesse dado só uma mamadeira ao meu bebê, ele ainda estaria vivo”

Por: Bruna Romanini

Foto: Reprodução Fed is Best

A mãe Jillian Johnson decidiu contar a história de seu bebê Landon para alertar os pais sobre os sinais de que bebê está passando fome

É fato: o leite materno é o melhor alimento para os bebês! Contudo, às vezes podem ocorrer problemas durante a amamentação e a fórmula pode ser necessária. Contudo, alguns sinais de que há problemas na amamentação podem não ser notados pelos pais e nem mesmo pelos profissionais de saúde, o que pode levar a problemas para os bebês.

A mãe Jillian Johnson acabou perdendo seu bebê Landon após não perceber que estava produzindo pouquíssimo leite. Agora, ela decidiu contar sua história para alertar outros pais para os sinais de que o bebê não está conseguindo mamar bem. Veja o emocionante depoimento que Jillian concedeu à ONG Fed is Best e depois confira os sinais de que o bebê está mamando bem:

Links Patrocinados

“Landon completaria cinco anos hoje se ele ainda estivesse vivo. É um aniversário muito difícil esse. Cinco anos. É um marco importante para a criança. A maioria das crianças começa o jardim de infância nesta idade. Mas não meu menininho. Fazia tempo que eu queria contar o que aconteceu com o Landon, mas eu temia o que os outros poderiam dizer e se iriam me julgar. Mas agora eu decidi contar minha história para que nenhuma outra família sofra a mesma perda que a minha.

Eu e meu marido queríamos o melhor para nosso filho, com todos os pais. Então, quando eu engravidei, nós fizemos aulas para pais. Compramos uma série de livros. Nos sentíamos prontos.

Links Patrocinados

Meu bebê nasceu pesando 3.3 kg e por meio de uma cesárea de emergência. O Apgar dele foi 8 e 9 e ele foi estabilizado. Ele precisou ficar 2 horas e meia em observação médica e depois foi até mim. Ele estava saudável. Assim que recebi meu filho o amamentei. Ele começou a mamar por 15 a 40 minutos a cada 1 ou 2 horas.

Assim, meu filho estava no meu peito O TEMPO TODO. As consultoras em amamentação iam nos visitar no quarto do hospital e diziam que estava tudo bem, apenas uma delas disse que eu poderia ter uma baixa produção de leite. A razão disso, segundo ela, era porque eu tinha a Síndrome dos Ovários Policísticos e era mais difícil para mulheres com o desequilíbrio hormonal causado por essa condição produzirem leite. Ela recomendou algumas ervas para eu tomar quando chegasse em casa.

Ocorre que algum tempo depois, ainda no hospital, meu bebê começou a chorar muito e  de forma inconsolável. Landon chorava. E chorava. E chorava, o tempo todo. Ele só não chorava quando estava mamando e então eu comecei a amamentar continuamente. As enfermeiras vinham e enrolavam meu bebê no cobertorzinho para tentar fazê-lo dormir. E quando eu as questionava sobre o choro e amamentação intermináveis, as enfermeiras só diziam que meu bebê mamava mais do que os outros, mas estava tudo bem.

Eu confiava cegamente nas enfermeiras e médicos, então achei que estava tudo bem. Mas eu estava errada.

Você sabia que recém-nascidos não devem chorar o tempo todo? Recém-nascidos devem comer, dormir e sujar as fraldas. Mas um choro inconsolável e constante como o do meu bebê não era normal. E eu não fazia a menor ideia que esse choro era de fome, meu bebê estava passando fome, literalmente. E como ele mamava o tempo todo, eu achei que ele estava alimentado.

Deixamos o hospital 2 dias e meio após o meu parto. Meu bebê tinha perdido 9.7% do peso, o que estava dentro da normalidade, já que bebês perdem um pouco do peso após o parto mesmo.

Então, o levamos para casa, sem saber que dali a 12 horas ele teria uma parada cardíaca causada por desidratação. Se eu apenas pudesse voltar no tempo.

No pouco tempo que ficamos em casa, Landon continuou mamando o tempo todo e chorando sem parar. Até que em um determinado momento, meu bebê começou a ficar molinho e azul. Liguei para a emergência e quando eles chegaram, ele já tinha tido uma parada cardíaca. Ainda conseguiram reanima-lo e ele ficou quinze dias internado na UTI, mas não resistiu. Segundo os médicos, a causa da morte foi: parada cardíaca causada por desidratação.

O fato é que sem saber, eu estava produzindo pouquíssimo leite e ninguém da equipe médica percebeu! Meu bebê mamava o tempo todo no meu seio porque não estava conseguindo receber leite suficiente e chorava de forma inconsolável por fome

Eu ainda tenho muitas dúvidas na minha cabeça, como ‘e se eu tivesse dado uma mamadeira com fórmula para meu bebê? Ele ainda estaria vivo?’. E também sinto muita raiva, afinal, como eu poderia saber disso?

Depois de Landon eu tive outra filha, Stella, e quando ela nasceu, eu me lembro que ela era bem calminha. E eu ficava perguntando para as enfermeiras o que tinha de errado com ela, afinal Landon chorava tanto no pouco tempo de vida que teve. E elas me disseram que não havia nada errado. E que ela estava como todo recém-nascido deveria estar: comendo e dormindo. E foi então que eu percebi que de fato não era normal um recém-nascido chorar SEM PARAR como o Landon fazia. Ele estava chorando de fome.

Apesar de só ter ficado comigo por cerca de 10 meses, o tempo da gestação e de sua breve vida fora da barriga, meu menininho transformou minha vida para sempre. Com meu filho eu aprendi o que realmente é o amor incondicional e a compaixão.

Também aprendi que o mais importante é o bebê estar bem alimentado. E se você notar que seu bebê chora sem parar, mama realmente O TEMPO TODO e nunca parece estar satisfeito: ele pode estar passando fome. Neste caso, converse seriamente com a equipe do hospital em que você teve seu bebê ou com um pediatra ou enfermeira sobre suas suspeitas, busque a ajuda de uma consultora em amamentação e se realmente o leite materno não estiver sendo suficiente pro seu pequeno, ofereça a fórmula ao seu filho. Você tem o direito de alimentar seu bebê da forma que for possível e seu bebê tem o direito de ser alimentado!”.

Veja a seguir, quais os sinais que o bebê dá de que está mamando bem:

  • O bebê começa a mamar sugando de forma mais rápida e depois passa a sugar mais devagar e de maneira ritmada, com pausas ocasionais;
  • É possível ouvir e ver que o bebê está engolindo o leite materno;
  • As bochechas do seu bebê ficam arredondadas e não fundas durante as mamadas;
  • O bebê fica calmo e relaxado durante as mamadas;
  • O bebê para de mamar por conta própria;
  • A boca do bebê fica úmida após as mamadas;
  • Seu bebê parece estar contente e satisfeito após as mamadas;
  • Seus seios ficam mais macios após as mamadas;
  • Seus mamilos não mudam muito antes e depois das mamadas, por exemplo, não ficam mais achatados após as mamadas;
  • Após as primeiras duas semanas, seu bebê ganha peso de forma constante, cerca de 20 a 25 gramas por dia;
  • Os bebês parecem alertas e saudáveis quando estão acordados;
  • O bebê deve molhar pelo menos seis fraldas de xixi por dia.

Caso seu bebê não apresente esses sinais, é importante conversar com o pediatra ou consultora em amamentação.

Fonte consultada

Serviço Nacional de Saúde do governo do Reino Unido

Veja mais

Comentários

Links Patrocinados