“É cruel esse pouco tempo que dão de licença-maternidade”, diz Deborah Secco