Thais Fersoza revela técnica para tratar diástase e evitar cirurgia

Por: Bruna Romanini

Foto: Reprodução Instagram

Diástase abdominal ocorre com uma em cada quatro mães, veja o que Thais Fersoza está fazendo para tratá-la

A atriz Thais Fersoza se tornou mãe da pequena Melinda há cerca de três meses. E revelou que assim como muitas mulheres, a gestação deixou marcas em seu corpo. Thais desenvolveu diástase abdominal após a gestação.

A diástase abdominal no pós-parto é uma condição que afeta uma em cada quatro mulheres que engravidaram. Ela ocorre porque durante a gestação, os músculos do abdômen se esticam muito. Após se esticarem tanto, dois músculos que ficam de forma paralela e vertical no meio do abdômen podem acabar não conseguindo voltar totalmente e ficam mais separados um do outro. Esta condição é chamada de diástase abdominal.


Cadastre-se

A diástase ocorre no final da gestação, mas costuma ser notada apenas no pós-parto. Com o passar do tempo, os músculos costumam se aproximar novamente. Porém, uma separação ainda se mantém pelo resto da vida.

Além de ter uma aparência que não agrada muitas mães, a diástase também pode levar a complicações como   enfraquecimento dos músculos do abdômen o que leva a dor na parte de baixo das costas tornando difícil levantar objetos e fazer outras atividades do dia a dia. Saiba tudo sobre a diástase aqui.

A cirurgia abdominal pode ser necessária para corrigir a diástase. Porém, a prática de certos exercícios pode contribuir para a recuperação e assim evitar a cirurgia. É justamente isso que Thais Fersoza está fazendo, ela decidiu investir no Método hipopressivo para tratar sua diástase. Veja o que ela falou sobre o assunto a seguir:

“EU, ainda sou novata no método.. e tô aprendendo.. baby steps! Pra quem não conhece, vale a pena! Pra vocês entenderem um pouquinho: ‘O Método hipopressivo foi criado nos anos 80 pelo belga Marcel Caufriez. Observando os efeitos nocivos dos abdominais sobre o assoalho pélvico ele também percebeu quanto esse exercício também era ruim para o próprio músculo abdominal e para as costas.

Durante a gestação, o útero exerce um grande peso sobre o assoalho pélvico e também empurra o reto abdominal para frente, gerando uma separação chamada diastase .

Até então, a diástase não tinha tratamento a não ser cirúrgico. A perda do tônus de sustentação dessa musculatura, leva também a sérios problemas posturais. Hoje em dia, sabem que o exercício hipopressivo é capaz de reduzir a diástase abdominal.

A realização dos exercícios hipopressivos, como diz o nome, diminui a pressão intra abdominal, aspirando as vísceras para cima e tonificando a parede abdominal. Segundo investigações cientificas, o método é capaz de:

1 Reduzir o perímetro da cintura em at´8%

2 Melhorar a postura, reduzindo lordoses e cifoses

3 Aumento do tônus do assoalho pélvico e da faixa abdominal em 58%

4 Incremento da forca do Assoalho pélvico em 20%

5 Aumento do metabolismo em 15%

6 Previne a incontinência urinaria

7 Evita prolapsos

8 Previne hérnias vaginais

9 Melhora da vascularização e da sensibilidade sexual’.

Gente, dizem que até as ‘angels’ da Victoria Secret fazem! Achei top! Um dia posto um vídeo pra vocês verem…É muito doido! Impressionante mesmo!”

Veja mais

Deixe uma resposta

Comentários