Mãe sequestra sua bebê após juiz deixá-la ficar com o pai pedófilo

Mãe sequestra sua bebê após juiz deixá-la ficar com o pai pedófilo

Uma mãe decidiu sequestrar sua bebê após o juiz deixá-la com o pai que abusava dela

Uma mãe decidiu sequestrar sua bebê após o juiz deixá-la ficar com o pai pedófilo – Imagem ilustrativa

“O sistema falhou comigo e com a minha filha”, desabafou a mãe da bebê em um relato chocante

Uma mãe desabafou sobre o que aconteceu com ela e com sua bebê de três anos. A mãe australiana deu seu depoimento para a ONG Bravehearts. A ONG quer tornar as leis do país mais seguras para as crianças e a mãe espera que o relato possa ajudar a mudar sua situação e a de sua filha.

Em seu relato anônimo, a mãe desabafa sobre sua decisão de sequestrar a filha após o juiz tê-la deixado ficar com o pai que estava abusando sexualmente dela. Confira o impressionante e triste relato desta mãe a seguir:

“Nós já fomos felizes, o Dale* e eu. Mas quando eu engravidei, Dale começou a mudar. E quando a Poppy* nasceu ele ficou um homem completamente diferente. Ele começou a me tratar mal e a ser muito abusivo, então quando a Poppy tinha nove meses, eu decidi me separar.
Foi quando tudo ficou ainda pior, Dale começou a ficar mais nervoso e abusivo. Ele me ligava 5 da manhã, de madrugada…mandava mensagens dizendo: ‘atenda o telefone ou eu vou até ai’. Ele estava me assustando muito.

Links Patrocinados

Os abusos aumentaram tanto que eu fui para a polícia. E eu fui para a polícia e prestei queixa contra ele diversas vezes. Em um momento o policial foi falar com o Dale e durante três semanas ele me deixou em paz. Eu até cheguei a retirar as acusações.

Dale então começa a ir para casa visitar a nossa filha. Ele chega em casa fedendo a fezes e com um bafo terrível, todo sujo e suado. Ele pede para ter um tempo sozinho com a Poppy e quando eles voltam do passeio, ela também está fedendo.

Links Patrocinados

Mais um passeio e a Poppy volta com marcas vermelhas nos genitais. Eu não consigo mais dormir. Mais um dia com o pai e ela volta para casa com um olhar triste, não deixa que eu a toque e não quer se sentar na banheira para tomar banho. Os amigos me dizem que eu estou exagerando, que estou me preocupando à toa. Eu ligo para a assistente social, busco ajuda profissional e nada.

Minha filha está mudando, antes ela era uma menina feliz, agora estava quieta, triste, virou outra criança. Um dia, ela voltou da casa do pai e estava agressiva e chorando. Na hora do banho, ela me fala: ‘minha gina está doendo’. Eu então perguntei: ‘por que meu amor?’. E ela respondeu: ‘O papai ficou encostando e encostando nela’.

Imediatamente eu entrei em contato com a polícia. Minha filha foi entrevistada pelos policiais e após a entrevista, eles afirmaram que a Poppy não havia relatado nenhum abuso. Procurei um advogado e ele me disse que ela não poderia fazer exames médicos para saber se houve abuso ou não porque precisaria da autorização do pai.

A polícia parou de investigar minha denúncia de abuso. Eu pedi para que as visitas da minha filha ao pai parassem por pelo menos um tempo, mas este meu pedido também não é aceito.

Minha filha então continua indo para o pai, ela volta para casa gritando, agressiva, ela até desaprendeu a usar o banheiro.
Eu levo minha filha para a psicóloga. A psicóloga escreve seu parecer sobre minha filha e sugere que ela fique sem ver o pai por um tempo. Mas o Dale contratou um advogado e foi determinado que Poppy não poderia ver esta psicóloga e nenhum outro psicólogo.

Eu então entrei na justiça para tentar acabar com as visitas dela ao pai ou para que elas fossem ao menos supervisionadas.
Enquanto isso, minha filha estava passando já todo o final de semana com o pai. Ela voltava para casa com os genitais machucados, cheirando a ele e me pedindo: ‘mamãe, você pode fazer parar?’. E eu só podia responder: ‘eu estou tentando meu amor’.

Mais uma entrevista do conselho tutelar é feita com a Poppy e mais uma vez eles afirmam que ela não relatou abuso nenhum. Foi quando o juiz determinou que Poppy continuaria ficando com o pai no final de semana e que se eu insistisse na questão do abuso sexual, eu iria perder a guarda dela de vez.

Diante disso, para mim não havia mais nada a fazer do que fugir com minha bebê. Eu sequestrei minha filha e durante dois anos nós moramos em três estados diferentes. Eu trabalhava vendendo produtos feitos a mão nas redes sociais. Mudei meu nome e da minha filha. Não podia ter contato com minha família e nem mesmo conta no banco. Mas nestes dois anos minha filha voltou a ser uma criança feliz. Ela era uma criança confiante, feliz, que estava sempre brincando.

Foi quando depois de dois anos, o que eu mais temia aconteceu: a polícia federal bateu na minha porta. Eles me prenderam e levaram minha filha para o pai. Depois, eu descobri que nas entrevistas para a polícia e conselho tutelar, minha filha havia relatado SIM que foi abusada, mas a informação foi escondida por dois funcionários.

Hoje minha filha tem cinco anos e vive com o pai. Eu só posso vê-la durante duas horas uma vez por mês. O sistema falhou completamente comigo e com a minha filha”.

Comentários

Links Patrocinados