Bebê tem escorbuto após ser alimentado exclusivamente com leite de amêndoa

Por: Bruna Romanini

Foto: Reprodução

O caso foi divulgado na revista científica Pediatrics, saiba tudo sobre o assunto a seguir

O leite de amêndoa tem se tornado cada vez mais popular, especialmente entre pessoas que buscam uma alimentação saudável. Contudo, este leite jamais deve ser oferecido ao bebê como uma opção para substituir o leite materno ou a fórmula.

E um pai e uma mãe da Espanha descobriram isso da pior forma possível. Após alimentarem seu bebê exclusivamente com leite de amêndoas durante nove meses, o pequeno desenvolveu escorbuto! O caso foi divulgado na revista científica Pediatrics.

Links Patrocinados

Escorbuto é uma doença causada pela falta de vitamina C no organismo. Ela pode ter uma série de consequências e em casos extremos levar a morte. No caso deste bebê, seus ossos ficaram extremamente fracos e ele acabou sofrendo fraturas na perna. Esta doença atualmente é extremamente rara, mas ela era muito comum 500 anos atrás durante as grandes viagens de caravela que eram realizadas. Isto porque os alimentos presentes nas caravelas não proporcionavam os nutrientes necessários para os marinheiros.

A mãe afirma que passou a usar o leite amêndoa por recomendação do pediatra de seu filho. Mas que ele também havia orientado que ela oferecesse outros alimentos ao pequeno, algo que ela não fez.

Links Patrocinados

Na verdade, até mesmo a orientação completa do pediatra está errada, pois uma vez que a amamentação não é possível, a orientação é dar a fórmula, NUNCA o leite de amêndoa.

O leite de amêndoa não é orientado justamente devido a sua origem vegetal. “Quando um leite a base de planta é a dieta exclusiva no primeiro ano de vida, isto pode resultar em problemas nutricionais gravíssimos. Este caso mostra que escorbuto pode ser uma das graves consequências do consumo deste tipo de leite. Os pais precisam saber que o leite de amêndoa não é um alimento completo, portanto não substitui o leite materno ou fórmula”, disseram os autores do estudo.

Veja mais

Comentários

Links Patrocinados