Bebês que nasceram unidas pela cabeça são separadas! Veja elas hoje:

Por: Bruna Romanini

Foto: Reprodução Facebook – Entenda o caso destas bebês e veja o relato de seus pais a seguir

Confira como estão estas bebês aos dois anos de idade e conheça a história delas

As bebês Erin e Abbey são duas em 10 milhões! Isto porque as gêmeas nasceram siamesa e ainda unidas pela cabeça. Os pais das pequenas, Riley e Heather Delaney descobriram que elas eram siamesas no exame de ultrassom. “Nós ficamos chocados, foi uma notícia terrível, mas assim que descobrimos, nós sabíamos que queríamos lutar por elas”, contou a mãe Heather em entrevista à revista People.

Desde a gestação, o casal começou a planejar os cuidados que teriam que ter com as meninas assim que nascessem. Eles, que vivem na Carolina do Norte nos Estados Unidos, viajaram para um hospital pediátrico em outro estado norte-americano, na Filadélfia, para se encontrarem com os médicos mais capacitados para tratarem as meninas assim que elas nascessem.

Links Patrocinados

O parto ocorreu na Filadélfia. Heather entrou em trabalho de parto prematuro no dia 13 de julho de 2016 e precisou de uma cesárea. As bebês nasceram pesando 900 gramas cada uma e precisaram ficar internadas na UTI. “Senti muito medo de perde-las, naquele momento eu nem me importei com o fato delas estarem unidas pelas cabeças”, contou Heather.

Em junho de 2017, após meses de planejamento, cirurgias preliminares e consultas, uma equipe de 30 médicos, enfermeiras e técnicos separou as meninas em uma bem-sucedida cirurgia que durou 11 horas. “Foi uma cirurgia muito arriscada. Nós poderíamos facilmente ter perdido as duas”, contou o neurocirurgião Gregory Heuer, um dos médicos que realizou a cirurgia, em entrevista à revista People.

Links Patrocinados

Após mais quatro meses internadas, as bebês receberam alta pouco antes do Dia de Ação de Graças. “Nós ficamos tão felizes quando elas receberam alta! Somos tão gratos!”, disseram os pais.

As meninas atualmente estão com dois anos. Elas precisam realizar fisioterapia três vezes por semana e também recebem a visita de uma terapeuta ocupacional uma vez por semana. “O desenvolvimento delas está mais devagar do que das outras crianças pelo fato de terem passado 10 meses unidas pela cabeça, mas elas estão se desenvolvendo no ritmo delas e nós fazemos questão de celebrar cada conquista das nossas filhas”, concluiu a mãe Heather.

Confira como estão as meninas aos dois anos:

Foto: Reprodução Facebook – As bebês após a cirurgia de separação

Foto: Reprodução Facebook – As pequenas estão se desenvolvendo no ritmo delas

Comentários

Links Patrocinados