Incômodos chatos que ocorrem no final da gravidez

Por: Bruna Romanini

Foto: Getty Images

Queimação, vontade de fazer xixi, dificuldades para dormir e muito calor são alguns dos incômodos da gestação

No final da gravidez é comum a gestante ter alguns incômodos bem chatos. A seguir, listamos os principais deles e ensinamos a melhor forma de alivia-los.

 Queimação
No final da gestação é normal que a mulher sinta maior queimação. “Na gravidez existe excesso de progesterona que é um hormônio que dificulta o esvaziamento do estomago e com isso há um aumento da secreção acida e do refluxo gastresofágico, levando aos sintomas de azia e queimação”, explica a ginecologista obstetra Heloisa Brudniewski.

Cadastre-se

Esse hormônio está presente durante toda a gravidez. “Mas no final, além da ação dele existe compressão do estomago pelo crescimento do útero, dificultando ainda mais o seu esvaziamento, por isso os sintomas ficam ainda mais intensos nessa fase”, destaca Heloisa Brudniewski.

Para prevenir a queimação, o ideal é que a gestante evite alimentos muito ácidos e condimentados e faça refeições mais leves, em pequenas porções e diversas vezes ao dia. “As refeições mais pesadas podem piorar os sintomas, principalmente à noite. Além da dieta, a gestante pode fazer uso de algumas medicações que melhoram os sintomas, como antiácidos ou protetores gástricos, com boa melhora”, afirma Heloisa Brudniewski.

Maior vontade de fazer xixi
Durante toda a gravidez o útero cresce e se apoia sobre a bexiga. “Com isso uma pequena quantidade de urina na bexiga já desencadeia a vontade de urinar. Como no final o útero está maior, essa pressão sobre a bexiga aumenta ainda mais, piorando os sintomas”, conta Heloisa Brudniewski.

Para reduzir a frequência com que a gestante faz xixi não há muito que se pode fazer. “Apenas recomenda-se não ingerir muitos líquidos antes de dormir, para diminuir o número de vezes que a gestante levanta durante a noite para fazer xixi. Depois do parto esses sintomas desaparecem”, orienta Heloisa Brudniewski.

Andar “parecendo um pinguim”
Na gravidez ocorrem modificações nas articulações e ligamentos e conforme o útero vai crescendo a postura também se altera. “No fim da gestação com o peso do útero a lordose da coluna se acentua e acaba modificando a marcha e a gestante pode andar semelhante a um pinguim”, observa Heloisa Brudniewski.

Dificuldade em encontrar uma posição para dormir
Com o crescimento do útero vai ficando mais difícil encontrar posição para dormir. A grávida também começa a ter falta de ar, principalmente quando deita com a barriga para cima. “Quando deita de lado, é mais confortável, mas depois de um tempo começa a tracionar alguns músculos e ela acaba tendo que mudar de posição para aliviar”, diz Heloisa Brudniewski. Veja dicas para dormir bem durante a gestação aqui.

Muito calor!
Normalmente as mulheres grávidas sentem mais calor durante toda a gestação, mas esse calor se intensifica no segundo e terceiro trimestre. “As ondas de calor são muito frequentes, principalmente na região da cabeça e tórax. Elas ocorrem devido as alterações hormonais da gravidez como a queda dos níveis de estrogênio”, conta Heloisa Brudniewski.

Cãibras
Cãibras são uma queixa frequente das grávidas. “Normalmente ela piora com o fim da gestação devido ao aumento do útero e alteração da postura. Também pode piorar com a falta de ingesta adequada de água e falta de alguns sais como cálcio, magnésio e potássio”, afirma Heloisa Brudniewski.

Uma boa hidratação e dieta com alimentos que contenham cálcio, magnésio e potássio podem ajudar a prevenir as cãibras na gravidez. “Fazer alongamentos também pode ser benéfico. A drenagem linfática também auxilia na circulação, podendo ajudar a diminuir as crises. Quando elas ocorrem o ideal é tentar relaxar, apesar da dor e massagear o local”, observa Heloisa Brudniewski.

Falta de ar
Outro problema chato, mas comum no final da gestação é a falta de ar. “Com o aumento do útero o espaço abdominal fica restrito e começa a comprimir a região torácica, dificultando a expansão do pulmão por completo. Além disso, quando a gestante deita de barriga para cima ocorre compressão de um vaso importante que passa atrás do útero, a veia cava, e dificulta o retorno do sangue ao coração, dando o sintoma de queda de pressão e falta de ar nessa posição”, explica Heloisa Brudniewski.

Algumas atitudes te ajudam a lidar com a falta de ar durante a gestação. “Quando a mulher estiver em pé ou em movimento, apenas respirar fundo e descansar se necessário. Quando deitada, ela pode elevar a cabeceira ou dormir com mais travesseiros. Virar de lado, principalmente para o lado esquerdo, também ajuda, pois melhora a circulação e consequentemente a falta de ar”, orienta Heloisa Brudniewski.

 Muitas dores!
Infelizmente, é comum o final da gestação vir acompanhado de muitas dores. “Isto porque houve um ganho de peso considerável em curto espaço de tempo e porque o útero está grande, o que leva a mudança de postura e consequente sobrecarga em algumas partes do corpo. Além disso o bebe está maior então a movimentação é mais vigorosa e pode incomodar a mãe. Com o passar do tempo também ocorre modificações na bacia para o parto, o que pode ser bastante doloroso nessa fase”, diz Heloisa Brudniewski.

Para aliviar estas dores boas alternativas são: massagens, alongamentos, calor local e acupuntura. “Praticar exercícios e evitar ganho de peso excessivo na gravidez ajuda, pois deixam a mulher mais preparada para o fim da gestação e normalmente ela tem menos dor nessa fase”, conta Heloisa Brudniewski.

Emoções a flor da pele
Ao longo de toda a gestação é natural que a mulher fique emotiva. Afinal, ela passa por mudanças hormonais e no corpo. No final da gestação também existe uma ansiedade e insegurança pela chegada do bebê associado a muitos outros sentimentos e algumas mulheres acabam ficando mais sensíveis principalmente quando o momento do parto se aproxima.

Contrações de treinamento
As contrações de treinamento tendem a ocorrer com maior frequência no final da gestação e por isso podem ser um pouco incomodas. Saiba mais sobre elas aqui.

Veja mais

Deixe uma resposta

Comentários