Plano de parto: o que é e como realizar

Por: Bruna Romanini

Foto: Getty Images

Entenda o que é o plano de parto e quais os benefícios que ele proporciona

Plano de parto é um documento que surgiu nos Estados Unidos há mais de 30 anos. Neste espaço a mulher escreve como gostaria que ela e seu bebê fossem tratados antes, durante e após o parto. “A minha visão de plano de parto é que se trata de uma possibilidade da mulher contar o que ela gostaria que acontecesse na gestação e no trabalho de parto. Diante de um esclarecimento sobre o assunto, a mulher pode dizer que se tiver tudo bem não gostaria de uma cesárea, que gostaria de ser a primeira pessoa a receber o bebê, que não fizessem procedimentos desnecessários nela e no filho, entre outras especificações”, explica o ginecologista e obstetra Alberto Guimarães, defensor dos conceitos de Parto Humanizado e fundador da Parto Sem Medo.

O plano de parto deve ser discutido com o seu médico durante as consultas no pré-natal. “Quando a mulher discute sobre o plano de parto com o médico é interessante porque ela também ouve a opinião do profissional. O médico também irá dizer o que pode ou não fazer. Por exemplo, se a mulher disser que só quer o parto normal, cabe ao profissional explicar que em alguns casos é preciso realizar a cesárea”, conta Alberto Guimarães.

Cadastre-se

A maneira como seu médico reage diante da ideia de um plano de parto também irá dizer muito sobre se este profissional irá respeitar os desejos da mãe em relação ao parto ou não. “A mulher começa a perceber como esse parto é encarado pelo médico. Se o profissional nunca ouviu falar em plano de parto, será que outros princípios importantes do nascimento serão respeitados?”, questiona Alberto Guimarães.

Outro ótimo benefício do plano de parto é que a mulher consegue se informar ao máximo sobre todas as etapas do nascimento. “Plano de parto vai ajudar muito a mulher porque ao preenche-lo precisa entender e, consequentemente pesquisar, algumas coisas e vai servir para compreender como é o parto, como é contração, entre outros aspectos”, destaca Alberto Guimarães.

A seguir, veja quais os pontos importantes para abordar no seu plano de parto:

  • Tempo de espera pelo parto

Aguardar a mãe entrar em trabalho de parto diminui o risco de prematuridade do bebê e ainda melhora a respiração do pequeno. “Vale pedir para que o parto seja aguardado até 42 semanas, se o profissional disser que não espera mais do que 40 semanas, desconfie”, alerta Alberto Guimarães.

  • Ocitocina só em casos de real necessidade

Quando o parto está evoluindo e a ocitocina sintética é utilizada, tudo que ela faz é aumentar consideravelmente as contrações da mulher e ainda aumenta o risco de outras complicações. “Ela transforma uma dor intensa em insuportável. É preciso saber quando utilizá-la, o uso do medicamento não deve ser rotineiro”, alerta a médica Carmen Simone Grilo, professora do Departamento de Saúde Materno-Infantil da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo.

  • Uso de antibióticos no bebê

Aqui você irá responder se autoriza ou não o uso de antibióticos no bebê.

  • Movimentação e posições no trabalho de parto

A mulher tem o direito de parir na posição em que considerar mais confortável. Além disso, durante o trabalho de parto, a movimentação é importante para o alivio da dor. Por isso, é válido abordar esses assuntos no seu plano de parto.

  • Jejum ou não

Atualmente sabe-se que a mulher pode consumir alimentos e água durante o trabalho de parto. Isto inclusive contribui para o bem-estar dela durante o processo do nascimento. Portanto, aborde essa questão no seu plano de parto.

  • Alívio da dor

Você gostaria de tentar métodos não farmacológicos para aliviar a dor do parto ou prefere uma anestesia? É importante esclarecer no seu plano de parto quais os métodos desejados para o alívio da dor. Saiba mais sobre maneiras de aliviar a dor do parto normal aqui.

  • Cesárea necessária

Infelizmente no Brasil, muitos profissionais realizam cesáreas sem a real necessidade. Este tipo de procedimento favorece uma série de problemas para a mãe e o bebê, que você pode conferir aqui. Por isso, se desejar o parto normal é importante colocar isso no plano de parto. Coloque também que a cesárea só deve ser realizada em casos de real necessidade. “Saiba que não dá pra colocar que não quer a cesárea de jeito nenhum, pois há situações em que ela realmente é necessária e salva vidas”, destaca Alberto Guimarães. Saiba quando a cesárea é necessária e quando não é aqui. 

  • Outros alimentos oferecidos ao bebê

Algumas maternidades podem oferecer a água glicosada ao bebê e outros bicos além do seio, essas atitudes podem prejudicar a amamentação. Por isso, é importante abordar se você gostaria ou não que esse alimento ou bicos fossem oferecidos ao bebê

  • Outros procedimentos desnecessários contra a mãe

Infelizmente, alguns profissionais de saúde ainda realizam procedimentos extremamente desnecessários na parturiente. Eles aumentam o risco de infecções e outras complicações. Por isso, é necessário falar sobre eles no seu plano de parto. Veja quais são esses procedimentos aqui.

  • Procedimentos desnecessários realizados no bebê

Além disso, também há profissionais de saúde que realizam procedimentos desnecessários contra o bebê. É válido abordar esses procedimentos em seu plano de parto. Saiba quais são esses procedimentos aqui.

  • Mães e bebê juntos após o parto

É válido e importante pedir que caso seu bebê esteja bem logo após o parto, que seja entregue para a mãe. Isto irá proporcionar uma série de benefícios, como aumentar as chances de sucesso na amamentação.

Parto humanizado 

Todas as atitudes mencionadas acima contribuem para que a mulher tenha um parto com respeito. Este é o princípio do parto humanizado, saiba mais sobre ele aqui. 

Veja mais

tremores-parto
cesarea-medieval
sophie-charlotte

Deixe uma resposta

Comentários